terça-feira, 3 de dezembro de 2013

O tradicional Mille da Fiat vem com design simples, mas compensando no bolso do consumidor



A versão 2013 do Mille vem mais robusta, mas ainda com os traços simples que caracterizam a série (alguns críticos dizem que o design já está ultrapassado). É atualmente o segundo carro mais barato no Brasil, custando R$22.540, e de acordo com testes do Inmetro, é um dos mais econômicos do ano de 2013. Tem motor 1.0, 66 cavalos a 6000 rotações por minuto, consumo de 1 litro de gasolina em 12,7 quilômetros na cidade, e o mesmo consumo em 15,6 quilômetros na estrada. Utilizando álcool, o automóvel opera por 8,9 quilômetros com 1 litro na cidade, e com a mesma quantidade de etanol, percorre 10,7 km na estrada sem reabastecer.

O subcompacto deste ano é 10% mais econômico que sua versão anterior, segundo a Fiat. E ainda vem com um item chamado “econômetro”, que é um painel que dá dicas ao motorista de como rodar mais gastando menos dinheiro com combustível, e tem o alongamento quinta marcha, que ajuda também na redução de custos com o carro.

Apesar de ser um quatro portas e ter tanta tecnologia para ter baixo custo durante uso, o acabamento interno não é muito detalhado e não vem com muitos itens de série. Contém apenas itens básicos (comparando com outros modelos da Fiat), como banco traseiro rebatível e volante espumado. Típico de um automóvel básico, para quem quer maior economia na compra e na manutenção de seu veículo.

Mille Fire 2013 tem espaço interno bem mais aproveitado, comparando com suas versões anteriores e outros carros básicos concorrentes. Tem direção manual e sua velocidade máxima é de até 153 quilômetros por hora. Uma enquete no site de uma revista automobilística de grande circulação no Brasil deu resultado em que mais de 65% de 5200 internautas acharam o Mille Fire 2013 feio. Mesmo com esse resultado, as vendas do modelo não são desanimadoras, considerando que ele é um grande alívio para o bolso do brasileiro.