sexta-feira, 11 de março de 2016


Daytona foi o palco da última etapa do AMA Supercross no final de semana passado e tivemos um vencedor novo na temporada. Depois de cinco vitórias de Ryan Dungey (KTM), duas de Ken Roczen (Suzuki) e uma de Jason Anderson (Husqvarna), chegou a vez de Eli Tomac (Kawasaki). Ele assumiu a ponta ainda na primeira volta da corrida principal e partiu para a vitória. Mas antes de falar do desfecho final, vamos a história da etapa, classificatória por classificatória.

Na "Heat 1" o "holeshot" ficou com Christophe Pourcel (Husqvarna), mas foi superado ainda nos metros iniciais por Marvin Musquin (KTM). James Stewart (Suzuki), "vilão" da etapa de Atlanta, quando atrapalhou Musquin nos metros finais, caiu na primeira volta e perdeu várias posições. No segundo giro teve-se início a uma briga pela quarta colocação, última da zona de classificação, e  Ken Roczen (Suzuki) passou Vince Friese (Honda) para ficar com a posição. Roczen ainda tentou passar David Millsaps (KTM) no fim pelo terceiro posto, mas não conseguiu a ultrapassagem.

Já na "Heat 2" quem ficou com o "holeshot" foi Eli Tomac (Kawasaki) com Joshua Grant (Suzuki) em segundo e Ryan Dungey (KTM) em terceiro. No segundo giro Dungey deixou Grant para trás. Na volta seguinte foi Trey Canard (Honda) que passou Grant. Daí para frente não houve mais mudanças entre os quatro primeiros e todos eles conseguiram a classificação para a corrida principal.

Jason Anderson (Husqvarna) fez o "holeshot" na "Semi 1" e fez uma corrida tranquila até a vitória. O vencedor da primeira corrida do ano em Anaheim não poderia dar novamente colher de chá para o azar, pois não conseguiu se classificar na "Heat 2". Atrás dele, nas briga pela segunda colocação, Cole Seely pressionava Justin Brayton (KTM), mas errou um salto e perdeu contanto com o rival. Mas mesmo assim ele conseguiu se recuperar e não perdeu posição. Os outros dois classificados foram Mike Alessi (Honda) e Weston Peick (Yamaha).

Na "Semi 2" Justin Bogle (Honda) fez o "holeshot", mas ele acabou caindo nas voltas seguintes. Vince Friese (Honda) que estava em segundo teve que jogar para fora da pista para desviar e com isto Phillip Nicoletti (Yamaha) assumiu a ponta e partiu para a vitória com Blake Baggett (Suzuki) em segundo. Bogle, que se levantou rapidamente, conseguiu terminar em terceiro. Jacob Weimer (Suzuki) e Vince Friese (Honda) ficaram com as duas outras vagas. Chad Reed chegou perto, mas não conseguiu a transferência para a corrida principal.

Na "LCQ" (repescagem), última chance dos 22 pilotos ainda sem vaga conseguirem a tão sonhada transferência. Kyle Cunningham (Suzuki) fez o "holeshot" e liderou a corrida toda até a bandeirada final com certa facilidade. Ricky Renner (Husqvarna) caiu na primeira volta e deu adeus as chances de classificação. Chad Reed (Yamaha) superou Nicholas Schmidt (Suzuki) pela segunda colocação na segunda volta. No fim foi Thomas Hahn (Yamaha) que deixou Schmidt para trás, mas mesmo assim os quatros se classificaram.

Ao contrário de Atlanta, em que a corrida foi de tirar o fôlego do início ao fim, em Daytona tivemos poucas brigas. Ryan Dungey fez o "holeshot", mas ao contrário do que aconteceu durante toda a temporada, em que ele ia embora, Eli Tomac o superou ainda no primeiro giro. Apesar do piloto da Kawasaki não conseguir se distanciar, Dungey em nenhum momento esteve em condições de brigar pela vitória. No fim Tomac cruzou a linha de chegada 2,160 segundos a frente de Dungey.

Atrás deles Marvin Musquin também fez uma corrida super tranquila. Não conseguiu acompanhar os dois primeiros, mas estava bem a frente do quarto colocado, Jason Anderson. Os dois terminaram separados por cerca de 15 segundos. Phillip Nicoletti ocupava a quinta colocação no início, mas foi perdendo posições até que caiu e despencou para o fim do pelotão. David Millsaps ocupou o lugar de Nicoletti, mas na segunda metade foi superado tanto por Trey Canard quanto por Ken Roczen.

Confira abaixo o resultado final da corrida:


0 comentários:

Postar um comentário