domingo, 23 de setembro de 2018



Pelo terceiro ano seguido Aragão é terra de Marc Márquez. O #93 deu mais um show ao arriscar tudo em uma briga acalorada com Andrea Dovizioso. Saindo da pole, Jorge Lorenzo caiu ainda na primeira curva.

Márquez chegou a Aragão com a missão de frear o bom momento da Ducati no campeonato e sabia que para isso precisaria arriscar. Com o ótimo início de trabalhos para as motos vermelhas que sobraram nos treinos livres e viram Jorge Lorenzo marcar a pole, sua terceira seguida, ficou claro que a Ducati chegava no domingo como grande favorita. 

As coisas começaram a mudar ainda na primeira curva quando, depois de grande largada, Márquez conseguiu assumir a linha de dentro e forçar Lorenzo para a parte suja do traçado. O #99, tentando reacelerar rapidamente para se manter vivo na briga, acabou perdendo a traseira de sua Desmosedici e foi jogado para cima, caindo fortemente no chão e posteriormente sendo diagnosticado com luxação no dedão e microfratura no dedo médio do pé direito. Sem Lorenzo, a briga de Márquez passou a ser com Dovizioso, e eles não decepcionaram. Em um show de ultrapassagens, ambos trocaram de posição de forma constante, inclusive por mais de uma vez na mesma curva. A batalha que se estendeu por um grande número de voltas contou até com toque de carenagens que levou Márquez para fora da pista, posteriormente retornando para continuar brigando e por fim, com duas voltas para o término, ultrapassar Dovizioso de vez para cruzar a linha de chegada com 0.6s de vantagem.

A dupla da Suzuki, formada por Andrea Iannone e Alex Rins, acompanhou essa briga de camarote. Respectivamente na P3 e P4 durante grande parte da prova, ainda que em alguns momentos Rins tenha assumido a P3, a dupla conseguiu acompanhar o ritmo dos ponteiros que, graças a constante troca de posições, não marcavam voltas tão mais rápidas, como seria o natural, dada a diferença de equipamentos. Por fim, Iannone, que chegou a liderar a prova por alguns segundos após contato entre Márquez e Dovi, venceu a briga interna e fechou a prova no pódio, seu terceiro na temporada, nessa que em termos de resultado foi sua melhor corrida em mais de três meses. Rins, assim como já havia feito na corrida passada, em San Marino, fechou na quarta colocação. 

Um surpreendente Aleix Espargaró, como na temporada passada, completou a prova na sexta colocação, nesse que é o melhor resultado da Aprilia na temporada. Pedrosa foi quinto, vide Iannone, conquistando seu melhor resultado em mais de três meses. 

O ponto negativo da corrida, como já esperado, foi a Yamaha. O desempenho das motos de fábrica foi mais uma vez pífio, com Valentino Rossi largando da 17º colocação e Maverick Viñales da 14º, depois de ter classificado em 11º, mas sofrer uma punição no fim da classificação que o fez perder três posições. Na corrida Rossi conseguiu realizar movimentos precisos nas primeiras voltas para logo entrar no top10, fechando a corrida na oitava colocação após ultrapassar Jack Miller na curva 1 com duas voltas para o fim. Viñales fechou na décima colocação depois de chegar a andar fora da zona de pontuação no início da prova. 

No campeonato Márquez é mais líder do que nunca. A vantagem para Dovi agora é de incríveis 72 pontos. Rossi se manteve em terceiro com 159 pontos, 87 menos que Márquez e 29 a mais que Lorenzo e Vinãles, ambos emparados na quarta colocação com 130 pontos cada.