domingo, 7 de outubro de 2018


Saindo da pole depois de um verdadeiro show no sábado, onde conseguiu marcar a volta mais rápida da classificação ainda no Q1 e depois confirmou o bom momento com a liderança no Q2, Márquez teve que suar para vencer Andrea Dovizioso em mais uma briga particular entre os dois. 

Ainda que tenha liderando as primeiras curvas, Márquez logo teve que se defender de um animado Valentino Rossi. Com a Yamaha finalmente conseguindo progredir com sua moto, pelo menos na pista Tailandesa, o #46 foi capaz de atacar Márquez nos giros iniciais e tomou a liderança com movimento de grande oportunismo. Dovisiozo veio atrás para deixar Márquez apenas na P3. A corrida seguiu e o ritmo de Dovi logo apareceu, fazendo-o facilmente pular para cima e ultrapassar Rossi alguns giros mais tarde. Com a liderança nas mãos, Dovi foi capaz de puxar todo o pelotão até as últimas voltas quando Márquez viu a sua hora de ser o caçador. Com ataques constantes o espanhol tomou a liderança em uma oportunidade mais apenas de forma breve. A ultrapassagem que deu a vitória só aconteceu na última volta em um movimento de grande risco e talento. Dovi acompanhou o #93 de perto preparando-se para dar o bote final na última curva, e assim o fez, mas no "x" o tetra campeão da Honda conseguiu retomar a liderança poucos metros antes da linha de chegada para cruzar em primeiro e emplacar a sétima vitória no ano. 

Aproveitando-se do bom momento da Yamaha no fim de semana, Maverick Viñales, que ao contrário do que se tornou comum durante toda a temporada, ganhou posições importantes ainda na largada e conseguiu se manter entre os ponteiros. A briga com Cal Crutchlow manteve o #25 ocupado durante parte da prova, mas no fim o espanhol conseguiu ultrapassar não apenas Cal mas também Rossi para fechar a prova Tailandesa no pódio, o seu primeiro desde o GP da Alemanha, em Julho.

Rossi fechou na quarta colocação com Johann Zarco, na Yamaha da Tech3, completando o top5 de maioria para as motos de Iwata, uma verdadeira raridade diante do péssimo momento da fabricante no mundial de motovelocidade. Alex Rins, em corrida muito sólida, completou na sexta colocação após ultrapassar Pedrosa, que foi ao chão na segunda parte da corrida, e Crutchlow no fim da prova. Alvaro Bautista puxou a fila das Ducatis na oitava colocação, com Petrucci em nono e Miller em décimo. 

Jorge Lorenzo, recuperando-se dos traumas sofridos em Aragão, sofreu forte acidente ainda nos treinos livres em Buriram que prejudicou ainda mais sua condição física o que fez com que, após  chegar a relatar "não conseguir colocar o pé no chão", o espanhol não conseguisse participar da corrida. Ainda não existe certeza quanto a participação do #99 na etapa do Japão.